Artigos‎ > ‎

Apresentação do Livro "O Elo Perdido da Medicina"

“O Elo Perdido da Medicina – O afastamento da noção de vida e natureza". Almeida, Eduardo, Imago, 2007


                  O físico americano Richard Feynman (1918-1988),  laureado com o Nobel em 1956 , disse em seu livro “Lectures On Physics”, 1963, o seguinte: ” Não faz qualquer diferença o quão inteligente você é, quem produziu tal pensamento, ou qual é o seu nome .... se isso {o que você produz} está em desacordo com os processos da vida real, está errado. Isso resume tudo”. Poderíamos acrescentar que a realidade precede o conhecimento. 

                 Se transpuséssemos essa concepção para a medicina, poderíamos dizer que toda a produção de conhecimento que estiver em desacordo com os princípios da vida, com as dinâmicas que mantêm a vida, está errada. Como a vida do ser humano é um produto do universo e da natureza, poderíamos dizer que quando um conhecimento agride ou está em desacordo com os processos da natureza, certamente ele está errado.

                 Esse foi o fio condutor do que está apresentado nesse livro. Queremos mostrar o quanto a medicina atual esta afastada da idéia de natureza. Tornou-se uma apologista das vias antinaturais, quando sucumbiu à terapêutica com substâncias químicas estranhas ao organismo (quimioterapia). Tornou-se  refém da Indústria Quimicofarmacêutica.  Perdeu completamente o seu vínculo com a vida e a natureza, e só fala da sua construção maior – a doença.

Isso não quer dizer que a medicina oficial não tenha avançado, e proporcionado benefícios importantes aos usuários. A Física Newtoniana também produziu conhecimentos que permitiram e ainda permitem avanços e contribuições para humanidade, embora esteja completamente superada pela física quântica. Mas, quando se avança orientado  por saberes reducionistas, precocemente se esbarra nos seus próprios limites. Esses limites devem ser identificados e a superação buscada.

O problema é que o saber e a prática estão organizados institucionalmente, como no caso da Ordem Médica. Aqui,  passa a vigorar outra dinâmica e, assim, os limites, as insuficiências, as falhas, os erros, não são percebidos ou, se percebidos, perdem importância diante dos aspectos positivos. Mais do que isso, o processo de medicalização radical da vida moderna está estruturado quase como uma questão de fé. Ainda é incipiente o movimento social crítico de base cultural à medicina oficial. O aparelho de estado, através das suas agências, tende a impor o modelo único alopático, com restrição ativa às demais medicinas e modalidades terapêuticas. Desse modo, na prática, o cidadão perde a sua liberdade de escolha terapêutica.

É preciso chamar a atenção da sociedade de que a liberdade de escolha terapêutica é uma questão da democracia, que evolui para além dos direitos políticos. Para viabilizar a liberdade terapêutica é necessário que haja produção de conhecimento e oferta de serviços no campo das medicinas não oficiais. Não adianta haver liberdade e o cidadão não conseguir exercitá-la. Nas democracias mais avançadas já existe essa consciência e os setores interessados fazem alianças sociais  (usuários e profissionais) no sentido de viabilizar o seu direito de escolha terapêutica.

Não reivindicamos qualquer monopólio de verdade, pelo contrário, pretendemos quebrar o monopólio da doutrina oficial médica, e mostrar para o leitor que qualquer conhecimento é parcial. Que qualquer conhecimento é uma construção da cultura e tem a sua filiação em termos de paradigma, concepções, ideologia. Não existe uma só medicina, mas várias medicinas e sistemas médicos, por que temos várias culturas e uma pluralidade incrível de pensamento na evolução da humanidade. Não temos também qualquer pretensão em desmontar ou demolir o grande edifício da medicina ocidental contemporânea, que se expandiu para todo o planeta. Queremos simplesmente mostrar o elo essencial perdido da arte da medicina, os limites dessa doutrina e indicar possíveis caminhos já disponíveis para superação. 


Bibliografia:

1.   Almeida, Eduardo.”As Razões da Terapêutica – Racionalismo e Empirismo na Medicina”. Niterói: EDUFF, 2003

2.   Becker, Robert. “Cross Currents – The Perils of Electropollutionn”. New York: Putman1990

3.   Becker, Robert. “The Body Electric”. New York:Quill, 1985

4.   Brügemann ed.. “Bioresonance and Multiresonance Therapy”. Brussels: Haug Internat., 1993

5.   Canguilhem, G.. Idéologie  et  Rationalité  dans  l'Histoire  des  Sciences  de  la  Vie.  Paris:  J.  Vrin,  1981.

6.   Enig, M, Fallon, S.. “Eat Fat Loose Fat”. New York: Hudson Street Press,  2005

7.   Foucault,  M..  “O  Nascimento  da  Clínica”.  Rio  de  Janeiro:  Forense  Universitária,  1977.

8.   Pischinger, A. & Heine, H. (edit). “The Extracellular Matrix and Ground Re”. Brussels: Haug International

9.   Illich, I.. “A Expropriação da Saúde - Nêmesis da Medicina”. Rio de janeiro: Ed. Nova Fronteira,1975

10. Köhler, B.. “Living System Information Therapy”. Ulm: Gustav Fischer, 1997

11. Köhler, B.. Life Supporting Medicine & BIT Seminar. Sesimbra, 2006

12. Lutz, Wolfgang. “Life Without Bread“. Los Angeles: Keats Publishing, 2000

13. Mahé, André. “O Segredo das nossas Origens”. Rio de Janeiro: Editora A&A&A, 2002

14. McDaniel, TC.. “Disease Reprieve”. 1996

15. Morel, Franz. “The MORA Concept” . Heidelberg: Haug, 1990

16. Morin, E.. “O Método II - A Vida da Vida”. Lisboa: Publicações Europa- América, 1989.

17. Morin, E.. “Ciência com Consciência”. Lisboa: Publicações Europa-América,sd.

18. Oschman, J.. “Energy Medicine in Therapeutics and Human Performance”. Dover: Butterworth, 2003

19. Popp, F.A. et al.: Electromagnetic Bio‑InformationUrban & Schwarzenberg, Munich

20. Payer,  L..  “Medicine  &  Culture”.  New  York:  Henry  Holt  &  Co.,  1988.

21. Rath, Matthias. “Por qué los animals no sufren infarto … y los hombres sí”. MR Publishing

22. Rath, M., Pauling, L.. A Unified Theory of Human Cardiovascular Disease…. J of Orthomolecular Medicine, 7:5-15, 1992a

23. Rath, M.. “En Nombre de la Humanidad: Un relato verídico sobre el inmoral “negocio basado en la enfermedad”. MR Publishing B.V.

24. Ravnskov, U.. “The Cholesterol Myth”. Washington: New Trends Publishing, 2000

25. Schole, Jürgen & Wolfgang Lutz. „Regulationskrankheiten“. Niebüll: OHG Verlag, 2001

26. Sheldrake, Rupert. „A New Science of Life – Morphic Resonance“. Rochester: Park Street Press, 1995

27. Szent-Györgyi, A..”Introduction to a Submolecular Biology”. New York: Academic Press, 1960